ÁRVORES SÍMBOLO


A palavra símbolo do grego symbolon significa co-incidir. Todo símbolo representa uma certa idéia interligada de conhecimentos, significados e conteúdos. Segundo o dicionário Aurélio, símbolo significa, entre outras coisas: 1- O que representa ou substitui outra coisa. 2- O que evoca, representa ou substitui algo abstrato ou ausente.

  • As definições mais usuais de símbolos são:

    -Representações gráficas de algo que substitui, representa, evoca ou equivale a alguma coisa ausente, abstrata;

    -Sinal ou objeto capaz de representar ou lembrar idéias ou entidades;

    -Aquilo que, por semelhança, representa ou substitui alguma coisa;

    -Objeto material que, por convenção, representa ou designa uma realidade complexa;

    -Imagens ou sinais com significado moral ou que representam idéias, valores, atividades.


São exemplos, bem conhecidos de símbolos: a pomba branca que representa a paz; a cruz que representa o cristianismo; a âncora que representa a navegação. No final do século XIX, a árvore tornou-se símbolo de civilidade, de cultura e de patriotismo.

No Brasil, os estados passaram a ter o direito de criar seus próprios símbolos com a aprovação da primeira Constituição da República em 1891.

Apesar de muitas vezes não serem adotados oficialmente, é muito comum que as comunidades criem e adotem símbolos espontaneamente para o local ou região onde vivem, contribuindo para o fortalecimento da identidade e da auto-estima da comunidade local.

Muitas árvores são referidas na Bíblia como símbolos, representando fertilidade, abundância, imortalidade e são consideradas símbolos do bem e do mal.

Tanto o Brasil, quanto muitos de seus estados e cidades instituíram uma espécie de árvore como símbolo, seja pela importância ou pela freqüência de ocorrência na região, como Castanhal (PA), Juazeiro (BA) e Louveira (SP). Mas essa prática não é privilégio apenas de nosso país; outros lugares do mundo também utilizam alguma espécie de árvore como símbolo.

Há universidades, restaurantes, projetos e muitos outros segmentos que também usam o nome popular de alguma espécie de árvore como símbolo de seus empreendimentos.

Em todo o mundo muitas pessoas possuem sobrenome originado de alguma espécie de árvore. No Brasil, alguns sobrenomes como Pinheiro, Lima, Figueira, Oliveira e Carvalho, são comuns. Para citar como exemplo, pessoas de vida pública bem conhecidos: Chico Pinheiro e Rosana Jatobá, repórteres globais, e Luma de Oliveira, Lima Duarte e Juca de Oliveira, atores.

As árvores representam mais do que símbolos nacionais. Elas são peça importante na manutenção do meio ambiente sendo, mundialmente, de extrema importância para a sobrevivência humana no planeta.


Conheça algumas árvores-símbolo:

Ácer - "maple tree" (Bordo) - a folha de ácer é o símbolo mais importante do Canadá, sendo associada ao país desde 1868 e introduzida à bandeira nacional em 1965. "Maple" é o nome de aproximadamente 150 espécies de árvores e arbustos pertencentes ao gênero Acer. Esta árvore é também responsável por uma das maiores delícias da sua culinária. Dela se extrai seivas adocicadas, que são fervidas até se transformarem no melaço, o "maple syrup", (o que acontece a 102°C, 103°C). Podendo substituir o açúcar, é muito usado em panquecas e no preparo de doces diversos como biscoitos, bombons, sorvetes e em bolos. No "Maple Syrup Festival", o festival de xarope de plátano na cidade de Elmira, é possível observar a extração e o processo de produção do xarope e, claro, degustar.

AraucáriaAraucária angustifolia – originária do Brasil, é a árvore-símbolo do Paraná, conhecida como pinheiro-do-Paraná. Esta espécie aparece representada em praças, calçadas, poesias e também nos símbolos oficiais, estando na bandeira do Estado e nos brasões de aproximadamente oitenta municípios paranaenses, além de designar estádios, clubes, estabelecimentos comerciais, indústrias. Sua semente, os pinhões, é apreciada pelo homem e pelos animais, sendo o principal alimento da gralha azul, a ave símbolo do Paraná. Esta árvore também é símbolo de Campos do Jordão e foi declarada nos termos da Lei Municipal nº. 1.264, de 15 de julho de 1981- Parágrafo 4º.

BaobáAdansonia digitata – originária do continente africano, é símbolo do Senegal, onde é considerada sagrada. Sinônimo de longevidade, pois vive mais de 5 mil anos e simboliza força e tranqüilidade. Possui o tronco mais grosso do mundo, podendo chegar a medir 20 metros de circunferência e até 30m de altura. No Brasil, esta árvore empresta seu nome para um coral, hotel e muitos outros empreendimentos. O baobá ficou muito conhecido no século 20 através do livro de Antoine de Saint-Exupéry, O Pequeno Príncipe.

Buriti - Mauritia flexuosa – esta palmeira, escolhida como símbolo, desde a construção de Brasília (1959), foi declarada pela Lei nº 1.282, de 03 de dezembro de 1996, símbolo do Distrito Federal, com o objetivo de preservação e conservação deste vegetal. Sede da Administração do Distrito Federal, o Palácio do Buriti, localizado na Praça do Buriti é atração da capital e recebeu este nome em homenagem a esta palmeira.

Cajueiro - Anacardium occidentale L. é a árvore-símbolo de Aracajú, cujo nome originário da língua Tupi, ara-caiu, significa cajueiro do papagaio. Tanto a arara (ou papagaio) quanto o caju são símbolos consagrados pelo povo aracajuano que unidos formam o nome da capital de Sergipe.

Caneleiro - Cenostigma gardnerianum Tul. – o decreto nº 2.407, de 13 de agosto de 1993, institui esta árvore como símbolo da Cidade de Teresina, considerando a ameaça de extinção da espécie e por ser uma planta endêmica da região, com beleza cênica diante do seu porte, floração e copa. Suas flores que mais lembram orquídeas enfeitam a bela capital do Piauí. De acordo com estudos inéditos desenvolvidos pelo Núcleo de Pesquisas em Plantas Medicinais (NPPM), juntamente com o Departamento de Química, ambos da Universidade Federal do Piauí (Ufpi), descobriram que o caneleiro possui propriedades de cura e de prevenção de doenças e já apontam resultados positivos: antiinflamatórias, analgésicas, antimicrobiana e anti-ulcerogênica (prevenão de úlceras gástricas).

Carnaubeira - Copernicia prunifera – instituída árvore-símbolo do Ceará por sua resistência, é capaz de viver por longos períodos de seca. Por esse motivo, foi denominada pelo naturalista alemão Alexander Von Humboldt, no século 18, “árvore da vida”. De origem indígena, carnaúba significa "árvore que arranha". Pertencente à família das palmeiras, é encontrada no Nordeste brasileiro, particularmente nos Estados do Ceará, Piauí, Rio Grande do Norte, Maranhão, e parte de Pernambuco e Paraíba. Da carnaúba tudo é aproveitado e por isso também é conhecida como “árvore providência”. O tronco é resistente e pode ser usado na construção de edificações rústicas, como lenha, poste e móveis. As folhas são utilizadas na confecção de esteiras, cordas, balaios, produtos de artesanato e ceras. A cera da carnaúba é matéria-prima básica para a fabricação de polidores, cosméticos, revestimentos (cola verniz, papel, goma de mascar, porcelanas, lubrificantes, detergentes e até cápsula de comprimidos).

Carvalho - é a árvore símbolo da França. Os Gauleses, povo da antiga civilização, tinham uma religião própria, o druidismo. Os druidas não tinham templos e faziam suas cerimônias nas florestas, preferencialmente sob as sombras dos carvalhos ou "chênes". Eles achavam que os carvalhos tinham o poder de curar todos os tipos de doenças.

Na abertura das Paraolimpíadas de Atenas, a segunda maior competição esportiva de 2004, que reuniu 4 mil atletas de 150 países, um carvalho de 25 metros de altura – considerado pelos gregos como a “árvore da luz e do conhecimento” – tornou-se o símbolo maior dessa festa.

Cedro – “Cedrus libani” – é a árvore símbolo do Líbano, escolhido como emblema da bandeira, cujo significado relaciona-se intimamente com a idéia de eternidade. O cedro é muitas vezes mencionado na Bíblia Sagrada, representando um símbolo de força e imortalidade. Nos tempos bíblicos, em Israel, era costume celebrar o nascimento plantando uma árvore – cedro para homens e pinheiro para mulheres.

Uma empresa de contabilidade, localizada em Campinas (SP), escolheu como seu logotipo o Cedro do Líbano, árvore milenar, por ser símbolo de segurança e rigidez, tamanhas são as propriedades que a sustentam, e cuja madeira possui fibra incorruptível, pungente, e de excepcional longevidade da essência, frondosa e ramificada.

Cerejeira do Japão - Prunus serrulata - é a árvore-símbolo do Japão, considerada sagrada, é conhecida como “Sakura”. Entre outros atributos, a Cerejeira é símbolo de amor e amizade entre as pessoas. Sua flor está relacionada à beleza, vida e esperança. Seu fruto, a cereja, é considerada como sendo a materialização de tudo isso.

Divi-divi – “Watapana” - árvore símbolo de Aruba, ilha localizada ao sul do Caribe. Essas árvores destacam-se na paisagem. Desde pequena, esculpida pelos ventos, começa a tombar e apontar para o lado sudeste da ilha. Seus galhos retorcidos inclinam-se na direção dos ventos alísios, que sempre sopram para o sul, onde estão localizados os melhores hotéis de Aruba, orientando os turistas.

Erva-mate - Ilex Paraguaiensis foi escolhida a árvore-símbolo do Estado do Rio Grande do Sul, através da lei nº 7.439, de 08 de dezembro de 1980, pela sua importância econômica. Esta mesma lei constituiu a “Semana Estadual da Erva-Mate”, a ser comemorada, anualmente, na segunda semana do mês de setembro.

Figueira – esta árvore usada tanto no Antigo quanto no Novo Testamento como símbolo de Israel, foi associada com a árvore do conhecimento do Jardim do Édem, com a sabedoria e com a Torah, sendo, também, símbolo de muitos outros empreendimentos. Em muitas tradições, a Figueira é o símbolo do casamento, da estabilidade, da família e da sociedade.

Ficus bengalensis – conhecida como ‘banyan’, é a árvore símbolo da Índia, cujos galhos se transformam em suas próprias raízes, dando origem a outros troncos e raízes, formando novas árvores em uma extensa área. Tal característica aliada à sua longevidade, a torna imortal, fazendo parte de mitos e lendas deste país.

A Figueira da Glete, "uma Ficus Macrophilla originária da Austrália, está localizada em terreno situado na Alameda Glete, nº 463, Campos Elíseos, São Paulo. Neste local outrora existia o Palacete Street, onde até 1969 funcionou o Curso de Geologia da Universidade de São Paulo. A Figueira da Glete é considerada árvore símbolo dos geólogos paulistas. Os geólogos formados quando ainda seu curso funcionava no palacete organizaram-se no Grupo Figueira da Glete e recentemente plantaram uma muda da grande figueira nos jardins do Instituto de Geociências da USP, agora estabelecido na Cidade Universitária.
(
http://paginas.terra.com.br/educacao/fdg/geologia_usp.html) A Figueira da Glete faz parte do patrimônio ambiental do Estado de São Paulo tombado pelo decreto nº 39.743 de 23 de dezembro de 1994, publicado no Diário Oficial do Estado, volume 104, número 239, edição de 24/12/1994."

A Figueira Benjamim, A Figueira Benjamim, localizada no Parque do Ibirapuera, foi eleita a árvore símbolo de São Paulo, nos 450 anos da cidade, apenas para comemoração desta data, em virtude de uma campanha da Rede Globo. Veja maiores detalhes e assista ao vídeo no site: http://sp450.globo.com/Sp450/0,19125,VLV0-2822-8-4117,00.html

Uma Figueira foi a inspiração da origem do nome Figueirense Futebol Clube, localizado em Florianópolis (SC), fundado em 12 de junho de 1921. A árvore, transformada em símbolo do clube, só foi utilizada no distintivo em 20 de outubro de 1970, permanecendo até os dias atuais. Os traços do mascote, Figueirinha, foram idealizados a partir do nome e do símbolo do clube.

Guarapuvu - Schizolobium parahyba – é a árvore-símbolo da cidade de Florianópolis, instituída através da Lei Municipal nº 3.771 de 15/06/1992. Guapiruvu, garapivu, guaburuvu, ficheira, paraqueira, pau-de-vintém (Bahia); bacuruva, faveira, birosca (Minas Gerais); bandarra (Rio de Janeiro) são nomes populares que esta árvore recebe em várias regiões do país. De rápido crescimento, é freqüente nas matas de encostas semidevastadas, situadas próximos ao litoral, produzindo anualmente abundantes frutos e sementes.

Ipê amarelo – várias espécies do gênero Tabebuia possuem flores amarelas. A Lei nº 5.837 de 19 de Dezembro de 2001 institui no calendário das comemorações do Município de Petrópolis, o “Dia do Ipê Amarelo” a ser comemorado no dia 28 de junho.

Ipê roxoTabebuia avellanedae - é a árvore símbolo do Pantanal. Ela floresce no período da seca, quando as águas baixam e depositam nutrientes no solo, oferecendo alimento para animais da região.

O ipê roxo foi instituído árvore-símbolo do município de Foz do Iguaçu através da Lei nº 1.889/1994, estabelecendo como data comemorativa o dia 21 de setembro.

JequitibáCariniana legalis (Mat) Kuntze –é a árvores símbolo do Espírito Santo. O dia estadual do jequitibá-rosa instituído pela Lei Nº 6.146 08 de fevereiro de 2000, a ser comemorada anualmente, é 21 de setembro.

O pequeno município de Jequitibá, um dos dez primeiros povoados de Minas, fundado em 1670, é conhecido como a capital mineira do folclore. Há oito anos foi criada a Universidade do Folclore, tendo como governador o holandês Franciscus Henricus van del Poel, o frei Chico, e como vice-governador o artista Saulo Laranjeira, cuja bandeira foi idealizada pelo artista plástico Álvaro Apocalipse, tendo ao centro a árvore Jequitibá, dentro do triângulo, que é o símbolo de Minas.

Jequitibá rosa – é a árvore símbolo do Estado de São Paulo, natural da Mata Atlântica do interior, ameaçada de extinção. Por seu porte majestoso e altura de gigante, foi escolhida como a árvore símbolo da fraternidade nacional. A cerca de 80 km de São Paulo, em Santa Rita do Passa Quatro (SP), no km 245 da Rodovia Anhangüera, existe um jequitibá protegido pelo Parque Estadual de Vassununga. É a árvore mais antiga do país (ele já tinha 2500 anos quando o Brasil foi descoberto).

O jequitibá é um tríplice símbolo paulista. Além de ser nossa árvore representativa do Estado, também representa a Escola Paulista de Medicina e foi também inserido no emblema do Partido Republicano Paulista, na histórica Convenção Republicana de Itu, em 1878.

Jequitibá - Cariniana estrelensis – é a árvore símbolo da cidade de Sobradinho, localizada ao norte do Distrito Federal. O parque dos jequitibás, criado conforme Decreto nº 16.239, de 28 de dezembro de 1994, objetiva a proteção de espécies significativas da flora local, principalmente o Jequitibá.

Continua...


<< Voltar


Sugestões e comentários sobre este portal: rosmari@floraefauna.com
Copyright © 2004 - 2007 - Flora e Fauna. Todos os direitos reservados.